Tributação Tesouro Direto → Imposto de Renda e IOF

Tesouro Direto Descomplicado

Nesse artigo vou falar um pouco sobre a Tributação Tesouro Direto.

Os impostos que incidem sobre esse tipo de investimento são o Imposto de Renda e o IOF.

Investir no Tesouro Direto pode ser muito rentável, mas é preciso ter-se em mente que podem haver alguns impostos que podem diminuir um pouco a rentabilidade desse tipo de investimento.

Os mesmos são cobrados sobre todos os títulos à venda.

Ou seja, não importa se é Selic, Prefixado ou IPCA, sobre todos os títulos os impostos recaem.

Mas vamos ao artigo:

>>> Aprenda a garantir seu futuro com os Títulos Públicos em vídeo aulas <<<Tributação Tesouro Direto Imposto de Renda IOF

Tributação Tesouro Direto

Existem dois impostos que podem incidir sobre o investimento em títulos públicos:

  • Imposto sobre Operações Finaceiras (IOF)
  • E o Imposto de Renda (IR)

Abaixo verá um pouco mais sobre cada um deles:

Imposto sobre operações financeiras (IOF)

O IOF é cobrado com alíquotas regressivas.

Ou seja, quanto mais o tempo passa menor será a porcentagem do imposto a ser pago.

Ele só incide de as transações de compra e venda forem feitas em um prazo máximo de 30 dias.

Após 30 dias não é cobrado mais esse imposto.

As alíquotas cobradas começam em 96% do rendimento da operação, isso caso tenha um dia de aplicação apenas.

A mesma vai declinando até zerar quando completar 30 dias.

Após o 30º dia de aplicação não há mais incidência do Imposto sobre Operações Financeiras em investimentos no Tesouro Direto.

Imposto de Renda (IR)

Imposto de Renda sobre Tesouro Direto Alíquotas

O Imposto de Renda é uma Tributação Tesouro Direto bem alta pois assim é todo imposto no Brasil.

As alíquotas(porcentagens a serem pagas) são regressivas, de acordo com o tempo de investimento.

  • 22,5%, em aplicações com prazo de até 180 dias;
  • 20%, em aplicações com prazo de 181 dias até 360 dias;
  • 17,5%, em aplicações com prazo de 361 dias até 720 dias;
  • 15%, em aplicações com prazo acima de 720 dias.

Ou seja, quanto maior o tempo que manter seu investimento menor será o Imposto de Renda que terá de pagar.

Quem recolhe esses impostos?

>>> Aprenda a garantir seu futuro com os Títulos Públicos em vídeo aulas <<<

Os mesmos são recolhidos automaticamente pelo agente de custódia (corretora) em que o investidor mantém suas aplicações.

Portanto não se preocupe com isso, é tudo feito automaticamente pela instituição financeira que usa para investir.

Vídeo revela Como Investir no Tesouro Direto e Ter Mais Sucesso Nesse Investimento:Tesouro Direto Descomplicado Conversão master

Obrigatoriedade de Declaração

Além de ter a Tributação Tesouro Direto na forma de Imposto de Renda recolhido na fonte, em alguns casos, segundo a Receita Federal, é necessário fazer a declaração do IR e declarar seus investimentos no Tesouro Direto.

A obrigatoriedade de declaração no Brasil são para quem possui:

  • Recebimento de rendimentos isentos, não-tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, cuja soma foi superior a R$ 40.000,00 (quarenta mil reais); e
  • A posse ou a propriedade, em 31 de dezembro do ano-calendário, de bens ou direitos, inclusive terra nua, de valor total superior a R$ 300.000,00 (trezentos mil reais).

Se não se enquadrar em nenhuma das hipóteses acima não há obrigatoriedade na declaração, se possuir cônjuge que é obrigado a declarar mas os bens em seu nome não se enquadre dentro das hipóteses acima, apenas o cônjuge é obrigado a declarar.

Veja mais informações no site da Receita.

Como declarar o IR no Tesouro Direto

>>> Aprenda a garantir seu futuro com os Títulos Públicos em vídeo aulas <<<

Caso seja obrigado a declarar e não tenha como fugir do Leão, basta declarar os rendimentos do Tesouro Direto e não ser pego na malha fina.

Siga o passo a passo abaixo para declarar a aplicação em títulos públicos no seu IR

  • Clique na aba “Bens e Direitos”, código 45 – Aplicação de renda fixa: CDB, RDB e outros;Declaração IR Tesouro Direto
  • No campo “Discriminação”, informe nome e CNPJ da instituição financeira onde possui a aplicação.
  • No campo “Situação em 31/12/2014″, repita o valor informado na declaração anterior ou deixe em branco, caso não tivesse o investimento neste ano.
  • No campo “Situação em 31/12/2015″, informe o saldo do investimento na data.
  • Na ficha “Rendimentos Sujeitos à Tributação Exclusiva/Definitiva”, linha 6 (Rendimentos de aplicações financeiras), informe os rendimentos da aplicação. Os dados da fonte pagadora(corretora ou agente de custódia), como nome e CNPJ, devem ser informados obrigatoriamente.Como declarar Imposto de Renda Tesouro Direto

Obs.: As datas “31/12/2014” e “31/12/2015” são exemplificativas, não representando a data real que aparecerá nos dias atuais.

No caso deve-se seguir o informe de rendimento fornecido pelo banco para que bata com os dados que o mesmo enviará e não caia na malha fina, muito cuidado.

Veja mais em: www.tesouro.fazenda.gov.br/-/veja-como-informar-os-seus-investimentos-na-declaracao-do-ir

Conclusão sobre Tributação Tesouro Direto

A Tributação Tesouro Direto é bem alta e pode afetar significativa os rendimentos se fizer muitas movimentações.

A ideia de aplicar em títulos públicos é para se ter retorno a médio e longo prazo, portanto é necessário se planejar bastante para não precisar resgatar o investimento muito cedo e ter sua rentabilidade comprometida.

A sugestão é que faça o Curso Tesouro Direto Descomplicado para aprimorar seus conhecimentos nesse investimento.

Acesse >>> www.tesourodiretodescomplicado.com.br <<< E saiba tudo sobre Tributação Tesouro Direto.

Tesouro Direto Descomplicado

2 Comentários para "Tributação Tesouro Direto → Imposto de Renda e IOF"

  1. Pingback: Tesouro IPCA+ (NTN-B Principal) → Tudo sobre esse título público

  2. Pingback: Onde investir 500 reais por mês com baixo risco? | VEJA AQUI

Deixe uma resposta